Agindo a um Pilot Chute-In-Tow

É fácil baixar a guarda quando se trata de procedimentos de emergência. Uma grande porcentagem de paraquedistas passa anos (e milhares de saltos) sem precisar do reserva. Ainda assim, a maioria de nós prática nossos procedimentos de emergência o tempo todo para ficar preparado para o inevitável. Toda aquela simulação de olha, pega, olha, puxa, pega, puxa e sela durante o caminho até a altitude de lançamento deve ser bom para alguma coisa, certo? Bem, sim e não.

pilot chute-in-tow real

ESCOLHAS

Executar o procedimento na ordem correta é certamente importante. Mas esse é o seu plano para cada pane? Deveria ser? Talvez, talvez não! Um pane de pilot chute-in-tow é uma pane comum e, na verdade, tem duas respostas possíveis, ambas levando a resultados bem-sucedidos em quase todos os casos. A Seção 5-2 do Manual de Informações do Paraquedista lista as duas atitudes para um pilot chute-in-tow:

Pilot chute-in-tow procedimento 1: Comande o reserva imediatamente. Uma pane de piloto chute-in-tow está associado a uma alta velocidade de queda livre (pane de alta) e requer ação imediata. A chance do reserva se enroscar no principal é pequena, e tempo e altitude valiosos podem ser perdidos ao iniciar o procedimento de emergência até acionar o reserva. Esteja preparado para desconectar.

Pilot chute-in-tow procedimento 2: Desconectar e, em seguida, comandar imediatamente o reserva. Como há uma chance de o paraquedas principal ser acionado durante o procedimento ou como resultado do comando do reserva, uma desconexão pode ser a melhor resposta em algumas situações.

pilot chute-in-tow

Então, por que existem dois procedimentos diferentes? Por que a USPA não escolhe apenas uma e a torna a única resposta recomendada? Esse argumento remonta a um longo caminho, provavelmente desde o desenvolvimento dos primeiros containers piggy-back (onde tanto o velame principal quanto o reserva estão na parte de trás do container, em vez do reserva estar na frente).

“The Parachute Manual” de Dan Poynter (publicado em 1984) afirma que os paraquedistas devem ir direto para o punho do reserva no caso de um pilot chute-in-tow. “Não perca tempo tentando puxar bridle do principal ou desconectando”, diz Dan. Mas um artigo sobre problemas no comando na edição de julho de 1986 da revista Parachutist recomendou desconectar primeiro e depois comandar o reserva. No entanto, uma nota do editor discordou dessa recomendação, afirmando que desconectar apenas desperdiça tempo, e os paraquedistas devem ir direto para o punho do reserva. Como muitas coisas no paraquedismo, há muitas opiniões por aí. Você encontrará recomendações para qualquer procedimento, dependendo com quem você fala.

O truque é decidir agora qual procedimento você usará. Observe as informações factuais, discuta-as com seu instrutor na sua área de salto, conheça seu equipamento e quaisquer considerações especiais sobre ele, pratique frequentemente usando o procedimento que você decidiu e mantenha seu procedimento quando se deparar com esse tipo de pane. Gritar por 2.000 pés com um pilotinho no vácuo não é a hora de começar um debate consigo mesmo sobre se deve puxar o punho desconector ou simplesmente ir direto para o punho do reserva. Então, qual procedimento é ideal para você?

ESCOLHA SUA PRÓPRIA AVENTURA

Você sai de uma formação a 4.000 pés e faz um track por seis segundos, volta para a box position para desacelera por três segundos e então lança seu pilotinho. Depois de três segundos, você descobre que não está recebendo aquele puxão familiar do velame principal, então você olha por cima do ombro para ver o que está acontecendo. Você está agora a 2.000 pés (e ainda perdendo 1.000 pés a cada seis segundos) e você está correndo contra o tempo para tomar a sua decisão!

Independentemente do procedimento escolhido, você precisa agir imediatamente.

Procedimento 1

A primeira opção – ir direto para o punho do reserva sem desconectar – faz com que o reserva seja aberto imediatamente e você não perca tempo puxando o punho desconector. Mas você precisa estar preparado para essa resposta e puxar o punho reserva sem hesitar. Se você passar vários segundos questionando se deve desconectar ou apenas comandar o reserva, isso nega todo o argumento de que ir direto para o reserva é mais rápido do que desconectar primeiro.

As chances são muito boas de que o pilotinho reserva e a bridle do reserva passem pelo pilotinho principal e o reserva seja aberto no ar limpo. Se acontecer de eles se enroscarem, esperamos que a freebag faça seu trabalho, saia do velame reserva e ainda permita que o reserva encontre seu caminho para uma abertura bem-sucedida. Uma vez que o reserva esteja fora do container, haverá menos pressão nas abas do container e no pino de fechamento do principal.

Não é incomum o paraquedas principal abrir e formar um biplano ou um side-by-side com o paraquedas de reserva. A boa notícia é que você parou a queda livre e agora pode lidar com os dois velames. Nota: O Manual de Informações do Paraquedista Seção 5-1 também inclui as recomendações para lidar com dois velames fora. Há uma variedade de configurações possíveis, portanto, conhecer seu equipamento e ter um plano com antecedência é fundamental. Os dois velames podem formar um biplano estável, um side-by-side estável, um side-by-side instável, um downplane ou algum tipo de emaranhamento.

Antes de desconectar o velame principal, é preciso desconectar o RSL puxando a manilha de encaixe removível conectada a um tirante. Isso apenas permite que os tirantes principais se desconectem do container sem ter que puxar o RSL para fora do container quando o principal se desconectar. Há menos chance de algum tipo de emaranhamento. A Associação da Indústria de Paraquedas realizou um estudo de abertura de dois velames que fornece informações úteis para lidar com um principal e um reserva aberto e inflado. Você pode encontrar esse relatório clicando aqui.

Procedimento 2

A segunda opção para responder a um pilot chute-in-tow é primeiro puxar o punho desconector e, em seguida, comandar o reserva. A vantagem dessa resposta é que seus procedimentos de emergência permanecem os mesmos para qualquer tipo de pane.

Desconectar primeiro liberará o sistema 3 argolas em seus tirantes principais, mas enquanto as abas do tirante permanecerem fechadas, seus tirantes devem permanecer no lugar e não interferir na abertura do reserva. Depois que o reserva for acionado, se o container principal abrir e o velame principal inflar, ele se soltará instantaneamente do harness.

Espero que ele se solte de forma limpa e não interfira no velame reserva. Mas há uma chance de que parte do velame principal possa se enroscar no reserva. Como os tirantes se desconectaram do harness, não há muito o que fazer para tentar melhorar a situação. Essencialmente, você só pode esperar que o velame principal não se enrole com o reserva. Esta é a única desvantagem da opção de desconectar primeiro.

pilot chute-in-tow pode causar outros problemas

CONSIDERAÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS

Dependendo do seu harness e container, pode haver apenas uma resposta adequada para uma pane de pilot chute-in-tow. Por exemplo, o container Racer pode ser equipado com um RSL duplo. No caso de um pilot chute-in-tow, é essencial que o atleta comande o reserva sem desconectar.

Então, se o velame principal for acionado e você decidir liberá-lo, você deve primeiro desconectar o RSL. Se o RSL permanecer conectado a ambos os tirantes e você desconectar, os tirantes principais deslizarão pelas linhas do velame reserva, fazendo com que ele esvazie. Essa situação é abordada no manual do proprietário do container Racer. A maioria dos fabricantes não fornece instruções específicas para procedimentos de emergência e deixa para o proprietário do container buscar treinamento adequado de paraquedistas devidamente qualificados.

Na ausência de qualquer orientação específica do fabricante, tudo se resume ao treinamento que você recebe sobre como lidar em uma pane de pilot chute-in-tow.

APRENDENDO COM INCIDENTES

Uma revisão de fatalidades que remonta a 1999 mostra apenas um acidente fatal que começou com uma pane de pilot chute-in-tow. O paraquedista comandou seu reserva e, após a abertura do velame  reserva, o velame principal saiu do contêiner e as linhas de sustentação se enroscaram nas pernas do paraquedista antes que o velame inflasse. Ele desconectou, mas o velame principal enroscou com o reserva logo após a desconexão. Complicações adicionais do emaranhado com as pernas pioraram a situação.

Houve vários casos ao longo dos anos em que os paraquedistas sobreviveram a emaranhados depois de desconectar primeiro e depois comandar o reserva. Pelo menos dois desses paraquedistas envolvidos estavam saltando com containers Racer com RSL duplo, então eles não deveriam ter desconectado. Ambos experimentaram pousos forçados sob velames principal e reserva parcialmente inflados.

Outro paraquedista teve muita sorte depois que ele desconectou e, em seguida, comandou seu reserva. Ele só podia assistir impotente depois que a desconexão do velame principal se prendeu com o slider do reserva e o puxou pelas linhas do reserva, sufocando seu reserva enquanto o velame principal permanecia quase fechado acima dele. Ele pousou em árvores altas que inicialmente pararam sua descida antes de atingir o chão.

treino

No entanto, os galhos cederam e ele caiu de aproximadamente 12 metros e sofreu uma lesão nas costas devido ao pouso forçado. Se ele não estivesse sobre as árvores, provavelmente não teria sobrevivido ao impacto. Há, sem dúvida, muitos outros acidentes não fatais envolvendo esse tipo de pane, mas a falta de relatórios de acidentes não fatais ao longo dos anos significa que os dados não estão disponíveis para pesquisa.

Ao lidar com um pilot chute-in-tow, qualquer uma das opções pode fornecer um resultado bem-sucedido, mas ambas também apresentam desvantagens que você deve considerar cuidadosamente. Usar os mesmos procedimentos de emergência para todas as avarias pode ser melhor para alguns paraquedistas, enquanto outros podem decidir que apenas ir direto para o reserva é a melhor opção (e que eles serão capazes de identificar rapidamente o pilot chute-in-tow e reagir corretamente).

Conheça os fatos, discuta-os com seus instrutores e decida sobre a melhor opção para você. Em seguida, pratique seus procedimentos de emergência regularmente usando um equipamento suspenso ou colete de treinamento e sempre inclua uma resposta a um pilot chute-in-tow durante a sessão de prática. A preparação cuidadosa e a prática frequente ajudarão muito a garantir um resultado bem-sucedido.

PREVENÇÃO

A melhor defesa contra um pilot chute-in-tow é evitar completamente a situação. A dobragem correta e a manutenção cuidadosa ajudarão a garantir que o pilotinho principal e a bridle funcionem corretamente. A falha em armazenar o pilotinho principal ao dobrar é a causa mais comum de um pilot chute-in-tow.

Quase todos os pilotinhos colapsáveis ​​incluem um check de inspeção na bridle para verificar a kill line e certificar-se de que o pilotinho foi dobrado e armazenado corretamente. O check nos pinos de fechamento também deve incluir um check na cor da kill line (geralmente azul ou verde) durante o checklist. Se não houver cor na kill line durante o seu check, há uma boa chance de que o pilotinho não tenha sido descolapsado ou esteja apenas parcialmente descolapsado.

A segunda causa mais comum é o desvio da bridle. Seguir as instruções de dobragem do fabricante é a melhor maneira de garantir que você esteja dobrando corretamente. Alguns anos atrás, depois que vários paraquedistas experimentaram um container principal bloqueado devido ao pino de fechamento principal perfurar a bridle, a maioria dos fabricantes desenvolveu instruções alternativas de dobragem para a bridle. Se o fabricante do seu equipamento oferece duas opções de dobragem par a bridle do principal, escolha uma e incorpore-a à sua rotina. Dobrar da mesma forma após cada salto aumenta as chances de dobrar corretamente.

dobragem

Os pilotinhos também se desgastam com o tempo e devem ser substituídos antes que se tornem um problema. Consulte um rigger ou o fabricante para determinar se o seu pilotinho precisa de substituição.

Embora não seja tão popular quanto o pilotinho removível, um pilotinho removível oferece maior proteção contra uma pane de pilot chute-in-tow, uma vez que o paraquedista extrai manualmente o pino de fechamento antes de lançar o pilotinho para a abertura do principal.

Embora o sistema de pilotagem removível seja o sistema de abertura amplamente preferido pelos paraquedistas em todo o mundo, muitos fabricantes ainda oferecem um pilotinho comum como opção.

CONCLUSÃO

Este artigo originalmente foi escritor por Jim Crouch, D-16979, um piloto de transporte aéreo classificado pela FAA com sede em Tampa, Flórida. De 2000 a 2018, foi diretor de segurança e treinamento da USPA. Leve essa discussão para seus instrutores e amigos, a troca de informações é a melhor forma de se chegar a um escolha. Blue skies!


REFERÊNCIAS:

Gostou do artigo? Compartilhe!

Deixe o seu comentário!

Se inscrever
Notificação de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.