Saiba tudo sobre o velame de paraquedismo

O velame é o principal objeto que usamos no paraquedismo, alias o paraquedismo se resume a isso, navegar seu velame e pousar, a queda livre é um bônus (muito bom por sinal). Claro, a maioria escolhe a queda livre como melhor parte do paraquedismo e acabam não se dando conta do tanto de detalhes e complexidade que esta presente no velame.

Fora isso possuem tipos diferentes de velame, cada um com sua particularidade, além disso possui diversas outras características que pode modificar as diferentes etapas de usar o velame desde a abertura até o pouso.

Neste artigo vamos destrinchar o velame e te mostrar vários tipos, características e aspectos que um velame pode ter e isso com certeza vai mudar sua visão na hora de voar seu velame ou ajudar na hora de comprar um novo.

QUANTIDADE DE CÉLULAS

A maioria dos velames de paraquedismo usados ​​hoje são designs de sete ou nove células. Originalmente, velames de nove células tinham várias vantagens sobre as de sete células. Nove células faziam um swoop mais longo, e muitos paraquedistas preferiram a maneira como pousavam. Os velames de sete células geralmente respondiam melhor em flare longos e apresentavam um desempenho melhor ao fazer pousos de precisão. Como têm menos linhas e menos painéis, os velames de sete células geralmente apresentam um tamanho menor de dobragem. Embora os velames de sete células ainda sejam os preferidos para TRV, precisão e reservas, os velames principais de nove células rapidamente se tornaram populares com entre a maioria dos paraquedistas.

Velame de sete células
Velame de 7 células

Na década de 90, uma nova geração de sete células de alto desempenho tornou-se disponível e esses velames logo recuperaram sua popularidade. Os velames de sete células mais modernos se beneficiam de materiais e aerodinâmicos aprimorados e mantém as vantagens dos velames de sete células tradicionais, ao mesmo tempo que elimina algumas das desvantagens. Alguns velames de sete células modernos deslizam mais durante o swoop do que comparado aos de nove células. A maioria dos velames de nove células ainda irá deslizar ou “swoopar” por mais tempo durante o flare, mas pousar com alguns velames de sete células podem ser facilmente suave. Os velames de sete células ainda tendem a ter uma tamanho menor de dobragem comparando os de nove células e são mais ágeis em no flare total.

Velame de nove células
Velame de 9 células

Decidir entre um velame de paraquedismo com sete ou nove células hoje muitas vezes é apenas uma questão de preferência pessoal. Algumas pessoas ainda preferem o desempenho dos nove células, enquanto os paraquedistas que ocasionalmente fazem demonstrações ou TRV podem preferir os de sete células. As características de abertura suave de alguns velames de sete células os tornaram populares entre os cameraman e voadores de wingsuit.

OS MATERIAIS USADOS

Um velame moderno de paraquedismo são feitos de náilon de baixa porosidade ou de náilon de porosidade zero. Muitos paraquedistas chamam o material de baixa porosidade de “F-111”, embora este seja realmente o nome da marca para um tipo de tecido que não é mais fabricado. A maioria dos velames “F-111” que estão sendo usados ​​hoje são na verdade feitos de tipos mais novos de material de baixa porosidade.

O principal problema com o tecido de baixa porosidade é que ele se torna mais poroso à medida que é usado, o que significa que mais ar pode passar pelo material. Depois de 300 a 500 saltos, um velame tipo “F-111” não alargará tão bem como quando era novo e o desempenho em outras áreas também diminuirá. Esta mudança será menos perceptível em velames grandes, mas o desgaste é maior em velames menores. O tecido de porosidade zero tem um revestimento, geralmente à base de silicone, que evita que a porosidade aumente. Os velames feitos de alguns tipos de Zero-P podem durar bem mais de 2.000 saltos. Como não deixa passar nenhum ar, o tecido Zero-P permite que os projetistas de velame construam asas mais eficientes, capazes de um melhor desempenho.

Nailon zero porosidade
Nylon zero porosidade

Infelizmente, os velames Zero-P possuem tamanhos de dobragem maiores do que os F-111 e podem ser mais difíceis de dobrar. Paciência e uma boa técnica podem ser necessárias apenas para colocar um velame Zero-P dentro da bolsa, especialmente quando é novo. Um pilotinho de tamanho correto, slider posicionado corretamente e linhas adequadas são necessárias para reduzir as chances de uma abertura forte. No entanto, o Zero-P se torna “mais macio” e menos escorregadio com o uso, o que torna a dobragem menos difícil com o tempo.

As vantagens do Zero-P superam em muito as desvantagens, no entanto, e virtualmente todos os velames principais fabricados nos últimos anos usam material Zero-P. Algumas empresas oferecem velames construídos com uma combinação de tecido tipo Zero-P e F-111. Esses velames híbridos são projetados para ter um desempenho melhor e durar mais tempo do que aqueles feitos inteiramente de F-111, sendo mais fáceis de dobrar do que os velames feitos totalmente de Zero-P. Ao contrário do que algumas pessoas acreditam, o material Zero-P não torna necessariamente um velame mais rápido. Um velame Zero-P pode facilmente ter a mesma velocidade de planeio total que um velame do mesmo tamanho feito de F-111. Na verdade, o velame Zero-P pode ter uma razão de descida menor e ser capaz de voar mais devagar com os freios.

Dobragem do velame com zero porosidade
Velames com zero porosidade são mais trabalhosos para dobrar

Por que, então, as pessoas acreditam que os velames Zero-P são mais rápidos? Isso provavelmente se deve ao fato de que muitas pessoas comparam velames menores de Zero-P com os maiores feitos com F-111. Se você saltar com um velame de tamanho 210 com material F-111 e decidir tentar um Zero-P 170, ele certamente parecerá mais rápido. Será mais rápido por causa de seu tamanho, porém, não do material.

Embora poucos paraquedistas hoje comprem velame principais com material F-111, um usado ainda pode ser uma boa escolha para alguém com um orçamento apertado comprando um primeiro equipamento. Visto que um F-111 pode não alargar tão bem quanto um Zero-P, você provavelmente precisará de um velame um pouco maior se escolher esta opção. Além disso, como estão sendo vendidos cada vez menos velames novos com material F-111, está se tornando difícil encontrar usados ​​em boas condições. É especialmente importante ter um velame F-111 usado completamente verificado por um rigger e, em seguida, saltar algumas vezes antes de comprá-lo.

DIFERENTES FORMATOS DOS VELAMES

Formato do velame para paraquedismo esportivo é identificado quando visto diretamente de cima ou de baixo. A figura a seguir mostra exemplos básicos de três tipos de forma encontradas em velames esportivos: retangular, elíptico ou semielíptico. Ao mesmo tempo, praticamente todos os velames de paraquedismo esportivo eram retangulares, mas a maioria dos velames principais projetados nos últimos anos tem pelo menos um pouco de afunilamento.

Diferentes formatos de velame

Os termos semielíptico e elíptico podem ser um pouco enganosos. Em vez de descrever o formato real de um velame, esses termos são frequentemente usados ​​para indicar o quão responsivo um velame deve ser.

No paraquedismo velame descrito como semielípticos são geralmente mais responsivos do que retangulares. Frequentemente, eles têm uma pressão de alternância mais leve e giram com mais facilidade. Embora velames retangulares maiores possam ser um pouco lentos, especialmente quando a carga alar está leve, alguns velames maiores semielípticos parecem surpreendentemente ágeis. Esses velames são ideais para paraquedistas que desejam um velame maior e mais tolerante que ainda seja divertido de voar. Os velames semielípticos pequenos podem ser extremamente responsivos.

Velame de paraquedismo semielíptico
Velame semielíptico

No entanto, praticar paraquedismo com velame elíptico irá notar que estes velames respondem muito mais do que outros tipos. Eles fazem curvas rápidas e geralmente requerem menos força no batoque para iniciar uma curva. Um velame elíptico, particularmente menor, pode reagir ao uso do batoque de maneira que um velame retangular não responderia. Você pode conseguir fazer uma curva surpreendentemente rápida apenas deslocando seu peso no harness.

Velames elípticos podem ser empolgantes de voar, mas também podem ser implacáveis ​​em alguns aspectos. Por exemplo, muitos paraquedistas sem querer mudam seu peso ou puxam seus batoques de maneira desigual quando vão fazer o flare, fazendo com que o velame vire ligeiramente ao pousar. Em um velame elíptico, isso pode resultar em situação desagradável.

Como no paraquedismo o velame elíptico responde melhor em voo, ele também responde melhor enquanto se abre. Para evitar problemas como aberturas fora do eixo e line twist, pode ser necessário dobrar com mais cuidado e prestar mais atenção à posição do corpo durante o comando. Pessoas com centenas ou até milhares de saltos em velames menos responsivos precisaram fazer alguns ajustes e se livrar de alguns hábitos ruins, uma vez que começaram a saltar com velames elípticos.

Velame de paraquedismo elíptico
Velame elíptico

Como eles podem ser menos tolerantes em alguns aspectos, os velames elípticos geralmente têm sido vistos como “hot-rods” adequados apenas para pilotos de velame mais experientes e agressivos. Algumas pessoas acreditam que os velames elípticos são mais rápidos do que os retangulares. Este é um equívoco, entretanto, semelhante à ideia de que os velames Zero-P são mais rápidos do que os F-111. Um velame elíptico pode fazer curva mais rápido do que um retangular do mesmo tamanho, mas ainda pode voar aproximadamente na mesma velocidade de avanço.

É importante lembrar que o tamanho de um velame também determina o quão responsivo ele é e quão implacável pode ser. Muitas pessoas que saltam com velames elípticos maiores experimentam poucos ou nenhum dos problemas encontrados nos velames menores.

É uma boa ideia ganhar alguma experiência antes de voar em velames elípticos, mas você não precisa necessariamente ser um expert em pilotagem. Se outros velames não são tão responsivos quanto você gostaria, e você está pensando em reduzir o tamanho, você pode tentar primeiro um velame elíptico do mesmo tamanho que o seu velame atual. Um elíptico pode fornecer a experiencia que você deseja sem os riscos envolvidos em saltar com um velame pequeno.

RECURSOS PARA PERFORMANCE

No paraquedismo esportivo também contamos com velame de alta performance, que hoje em dia possuem recursos especiais projetados para aumentar o desempenho. Dois dos recursos mais populares são os “crossbraced” e “airlocks”. Embora os crossbraced e os airlocks melhorem o desempenho em algumas áreas, eles são apenas um item adicional. Você certamente não deve se sentir “atrasado” se preferir o desempenho geral e o manuseio de um velame mais convencional.

CROSSBRACED

Bill Coe, da Performance Designs, desenvolveu o velame crossbraced para paraquedismo esportivo no final dos anos 1980. Os cross-braces são painéis entre células (em inglês chamados de ribs), que dividem as células posicionados de forma diagonal nas extremidades que mantêm o velame mais rígido, permitindo o uso de aerofólios mais finos e menos linhas.

Hoje, os crossbraced são usados ​​em alguns velames elípticos de altíssima performance. Esses velames são geralmente mais rápidos e criam mais sustentação no pouso do que os velames sem os painéis cross-braces do mesmo tamanho. Por estarem disponíveis apenas em tamanhos menores e exigirem uma boa dose de habilidade para voar com segurança, eles são recomendados apenas para pilotos que já tenham experiência em saltar com velames elípticos pequenos.

Velame de paraquedismo crossbraced
Velame crossbraced com os painéis cruzados dentro das células

Velame de paraquedismo crossbraced (ou um velame feito de Cross Brace Tri-cells) significa que a célula é dividida em três câmaras em vez de duas, com os painéis entre células apoiados diagonalmente são para forçar cada célula de volta a sua posição e formato.

Visto de frente, um velame normalmente tem uma aparência em zigue-zague, as células são deformadas devido à falta de suporte interno, com apenas um painel livre e não resistente entre as células. Mas se você olhar para a frente de um velame crossbraced, ambos os dorsos (infra dorso e extra dorso) parecem estar alinhados.

Comparação velame crossbrace e não crossbraced
Não crossbraced x Crossbraced

De onde veio a ideia?

A PD (Performance Designs) originou a ideia com um paraquedas denominado Excaliber, no final dos anos oitenta. Era um F-111 Cross Brace Tri-cell retangular, e naquela época era incrível. O Excaliber realizou tudo que era possível na época. Ele acabou sendo substituído por paraquedas Zero-P, que superou o Excaliber usando apenas a fabricação convencional.

Vantagens dos crossbraced:

Há menos resistência porque há menos linhas. Na verdade, o velame tem 7 células, não 9 células, mas tem quase 11 células em forma.

O velame é mais rígido no voo. Devido à triangulação da estrutura da célula, as células são “travadas” na posição, em vez de flutuar livremente e ficar solta.

As superfícies do velame são menos distorcidas. Basicamente, todas essas coisas significam que você está voando uma asa mais responsiva, mais rápida, mais rígida, estável e poderosa. Nossas asas de alto desempenho são crossbraced por esse motivo.

Desvantagens dos crossbraced:

Existem algumas desvantagens inevitáveis ​​com este design. O tamanho após dobragem e o preço  sem dúvida afastarão algumas pessoas.

Tamanho de dobragem – um velame regular de 9 células consiste em 40 painéis diferentes. Os crossbraced têm muito mais painéis e uma quantidade maior de material é necessária para suportar a estrutura da célula. Consequentemente, um velame crossbraced de com tamanho de 104 pés poderia ser semelhante a um velame ZP padrão com tamanho de 125 pés – um aumento de aproximadamente 20% no volume da dobragem. Sem dúvida, você diminuirá o tamanho do velame, mas provavelmente não desejará diminuir os mesmos 20% para obter o volume de dobragem equivalente (a menos que você pretenda reduzir de qualquer maneira). Você pode acabar com um equipamento maior do que outro velame.

Preço – o material e o tempo de construção envolvidos aumentam significativamente na fabricação de um velame crossbraced. Eles têm mais tecido e demoram muito mais para serem fabricados comparado ao um velame convencional. Como existem apenas 8 grupos de linhas, a carga é um pouco maior em cada ponto de fixação da linha, então o reforço é costurado em todo o paraquedas.

AIRLOCKS

O airlocks de paraquedas é um mecanismo de segurança embutido em alguns modelos de velames que os ajuda a resistir deformação de seu formato quando abertos. Ele usa uma estrutura de ar comprimido para endurecer cada seção do extra dorso.

O projeto foi iniciado pelo designer de velame de paraquedismo esportivo Brian Germain após um estol quase fatal de seu velame em 1994. Germain se recuperou totalmente e testou pessoalmente muitos dos protótipos de velame com airlocks, muitas vezes em condições extremas. Projetos específicos de velames que utilizam a tecnologia airlocks incluem: Jedei, Sweptwing, Genesis e Warlock da Air Time Designs, Vengeance da Performance Designs e Samurai, Lotus e Sensei R1 da Big Air Sportz.

Figura do airlocks no velame de paraquedismo
Demonstração do airlocks

Os airlocks foram patenteadas por Brian Germain em no fim dos anos 90, são válvulas de tecido costuradas nas aberturas no nariz (bordo de ataque) de um velame. Eles permitem que o ar entre nas células, mas dificultam a saída do ar. Como suportes transversais, airlocks tornam o velame mais rígido e melhoram o desempenho. Os velames com airlock estão disponíveis em uma variedade maior de tamanhos do que os com cross-braces.

Como os airlocks ajudam um velame a permanecer pressurizado, esses velames têm a reputação de serem muito estáveis ​​em turbulência. Embora alguns paraquedistas tenham chegado a chamá-los de “à prova de turbulência”, Germain e outros alertam contra esse tipo de excesso de confiança.

Velame com airlocks vista frontal
Velame equipado com airlocks

“Os airlocks destinam-se a dar a você uma maior margem de segurança em condições normais de salto”, diz Germain, “mas se você é pego por uma forte turbulência descendente, mesmo que seu velame permaneça totalmente inflado, você ainda vai afundar”. A turbulência pode afetar qualquer velame no paraquedismo, assim como pode afetar um avião. Se o vento ou a turbulência ficarem tão fortes que você não saltaria com um velame sem airlock, então você também não deveria saltar nessas condições mesmo se seu velame possui airlock.

Velame com airlocks vista lateral
Vista lateral dos airlocks

Embora o projeto do airlock para velames tenha gerado uma base de usuários entusiasmados, o projeto também tem seus problemas. Por exemplo, um paraquedas projetado com airlocks não desinfla rapidamente ao pousar em um dia de vento. Isso pode resultar em o velame acabar arrastando o paraquedista pelo chão. Os dobradores também notaram que esses velames demoram mais para dobrar devido ao tempo extra que leva para tirar o ar de dentro. No entanto, os proponentes preferem as vantagens de segurança de um velame estável em voo sobre os inconvenientes no solo.

ETAPAS DE ABERTURA

Embora existam muitos fatores que podem afetar as aberturas, alguns velames tendem a perder um pouco mais de altitude durante a abertura e alguns perdem um pouco menos. Aspectos como tamanho, carga alar, velocidade na hora do comando, altitude da área, modo de dobragem e outros aspectos podem afetar significativamente o tempo de abertura e a perda de altitude. Quando avaliamos uma abertura, dividimos em 3 partes: snatch, snivel e inflado.

Snatch é o que você sente quando a bolsa sai do container e a bridle junto com as linhas começam a se esticar. O snivel é a parte da abertura em que o velame começa a sair da bolsa e inicia o processo para inflar, mas o slider ainda está na parte de cima das linhas, ou seja velame ainda não está totalmente inflado.E o inflado seria o velame totalmente aberto e o slider na parte de baixo. Normalmente, o ato de inflar é feito através das células transversais do velame e quando o slider desce por completo.

Vídeo demonstrativo das etapas de abertura

ARCO DE RECUPERAÇÃO

O paraquedismo permite que você realize manobras com seu velame, e quando você realiza uma manobra, seja uma curva de batoques, curva com tirantes traseiros ou dianteiros ou até mesmo um flare o seu velame muda de posição e leva alguns segundos até voltar para sua posição original (acima da sua cabeça) e fica em voo total novamente, e esse tempo do fim da manobra ate o voo total é chamado de arco de recuperação.

Figura do arco de recuperação
Demonstração do arco de recuperação

Essa manobra causa um aumento de velocidade, principalmente em velame pequenos, fazendo até com que o paraquedista fique na horizontal olhando para o chão.

A rapidez com que o velame se recupera do mergulho dessa manobra de aumento de velocidade para trazê-lo de volta para a posição original pode variar muito dependendo do modelo do velame. Velames como o Pulse se recuperam rapidamente, enquanto velames como o Sabre 2 levam um pouco mais de tempo e altitude para se recuperar do mergulho.

Basicamente existem dois tipos de arco de recuperação o longo e o curto, o arco longo costuma ser usado por praticantes de swoop e exige mais experiencia, enquanto o arco curto é mais conservador e oferece maior segurança.

Vídeo demonstrativo do arco de recuperação

TRIM – ÂNGULO DE VOO

O velame sempre vai ter um ângulo em que ele irá voar, este ângulo é chamado de trim e se refere a quais velames são mais planos em voo e quais são mais íngremes em voo total. Todos os velames têm maneiras óbvias de manipular essa característica de voo usando freios, tirantes dianteiros e traseiros, mas para esta observar o trim de seu velame deixe ele em voo total e observe o ângulo do bordo de ataque.

Velames com trim planos possuem o bordo de ataque reto, estes velames demoram mais para afundar e consequentemente para pousar, em contrapartida possuem uma razão de planeio maior, fazendo que você navegue para frente por mais tempo em voo total.

Figura demonstrando o trim
Ilustração do trim

Já os velames com o trim íngreme possuem o bordo de ataque para baixo, estes velames são o inverso, possuem uma razão de descida e pouso mais rápido, mas vendo pelo outro lado a razão de planeio em voo total é menor. O trim do velame é mais um aspecto totalmente pessoal do paraquedista, ele precisa avaliar sua experiencia e objetivo de seus saltos para escolher qual trim se adequa melhor a suas necessidades, velames com o ângulo trim íngreme costumam oferecer maior performance.

Vídeo demonstrativo do trim

SPEED RANGE – CONTROLE DE VELOCIDADE

Quando nos referimos ao speed range (algo como variação de velocidade), estamos falando sobre quão rápido o velame voa  em voo total (batoques acima) comparando com o quão lento o velame voa com o flare total e a faixa de variação entre essas duas velocidades define o speed range.

Por exemplo, se um velame com em voo total voa a 40km/h e com os flare total voa a 10km/h, ele possui uma grande variação de velocidade, o que pode ser interessante para os paraquedistas que desejam maior controle sobre o velame, mas se o velame voasse com o flare total a 20km/h a variação já não seria considerada tão alta assim e o controle sobre o velame é menor. Estes números são fictícios apenas como exemplo.

Alguns velames como o Sabre 2 tem uma faixa de variação muito ampla de velocidade em que voam, enquanto velames como o Pulse tem menos variação entre esses dois modos de voo.

Vídeo demonstrativo do speed range

DYNAMIC LANDING RANGE – FLARE DINÂMICO

Este ponto dos velames se refere ao quanto o velame ira responder ao flare na hora do pouso, velames com uma razão de planeio maior possuem uma flare menos dinâmico, ou seja, você não irá notar tanta diferença de velocidade entre o início do flare e o final.

Na contra mão disso, os velames com uma razão de planeio menor costumam ter um flare mais dinâmico, a diferença de velocidade entre o início e o fim do flare é perceptivo, em algumas situações o paraquedista apenas com meio flare já consegue pousar seu velame.

Alguns velames, como o Pulse, vem para pouso bastante plano e o processo para sair do swoop e finalmente colocar os pés no chão é um pouco mais rápido. Outros velames têm um flare em duas etapas e mudam sua velocidade de forma mais acentuada já no meio flare, exemplo o Sabre 2.

Vídeo demonstrativo do dynamic landing range

FLARE TIMING – O TEMPO DO FLARE

Durante o pouso a nossa perspectiva em relação a velocidade com que o chão se aproxima ou a velocidade em que o velame afunda vai influenciar no tempo do flare, além de condições climática do dia.

Mas em questão de tipos de velames, os velames que possuem uma razão de planeio maior, ou seja, aqueles com o trim mais plano possuem um tempo de flare mais preciso e fácil de ser realizado, pelo motivo deles afundarem mais devagar.

Já os velames que afundam mais rápido (trim íngreme) possuem um tempo de flare mais impreciso devido a sua velocidade mais alta para afundar, estes velames como é de se imaginar exigem uma maior experiencia e principalmente costume do paraquedista com o velame.

Os primeiros velames menos agressivos normalmente terão um pouso mais plano e mais fácil para cronometrar quando você chegará ao solo. Para aqueles que têm mais dificuldade com a percepção de profundidade, os velames com maior razão de planeio podem ser uma opção melhor.

Vídeo demonstrativo do flare timing

CONTROL RANGE – VARIAÇÃO DE CONTROLE

Esta categoria avalia, a ação de estar em voo total com os braços totalmente estendidos – até quanto é necessário abaixar seus braços para fazer um flare completo, este movimento dos braços é definido como control range, em inglês.

A maioria dos velames você sentira o real efeito do flare quando chegar no seu final baixando totalmente os seus braços, mas alguns velames este efeito é percebido um pouco antes de seus braços serem baixados por completo. Essa característica exige apenas que o paraquedista se acostume e se familiarize com o velame.

Vídeo demonstrativo do control range

TOGGLE INPUT – RESPOSTA DO BATOQUE

Quando você esta voando e puxa um dos seus batoques para fazer uma curva, alguns velames irão demorar mais para responder e fara isso de forma gradual, enquanto outros velames irão responder de forma imediata e com certa agressividade.

Velames de alunos são fabricados para responderem de forma lenta e sem nenhuma agressividade por questões de segurança devido a pouca habilidade do aluno, saindo dos velames de alunos, alguns velames como, por exemplo o Pulse, possuem uma resposta mais imediata como você estivesse fazendo uma curva fechada, já outros velames, podendo citar o Storm, respondem de forma gradual, ou seja, a curva começa devagar e vai acelerando.

CONCLUSÃO

Apesar de parecer simples, o velame que usamos no paraquedismo para nos trazer de volta ao chão após se jogar de um avião possuem diversas características e modelos diferentes. Esses aspectos muitos nem imaginam e chega a se surpreender com a quantidade de detalhes que compõe um velame.

A próxima vez que for saltar procure saber mais sobre o velame que você está usando, isto além de trazer mais segurança pode deixar sua navegação e pouso ainda mais divertida já que você poderá saber como extrair o máximo de seu velame.

Paraquedista fazendo swoop

E quando for comprar um velame lembre de levar em consideração todos estes aspectos para saber qual velame melhor se adequa as suas necessidades e experiencia.

Quer conhecer mais sobre velames? Visite a nossa área de equipamentos e confira tudo que temos cadastrado lá e se possível deixe sua avalição sobre este artigo e sobre os equipamentos que já usou.

Compartilhe com seus amigos e blue skies!


REFERÊNCIAS:

Gostou do artigo? Compartilhe!

Deixe o seu comentário!

Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

SOBRE O AUTOR

Diego Rodrigues

Fundador e administrador da SkyPoint Paraquedismo

REDES SOCIAIS

CATEGORIAS

ARTIGOS RECENTES

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.