Situações de emergência – como agir?

Esta deve ser uma pergunta relativamente simples, certo? Afinal, nós aprendemos os procedimentos de emergência antes mesmo de partirmos para nosso primeiro salto de paraquedas. Algumas pessoas acham fácil e outras muito difícil lidar com situações de emergência. Tão difícil que elas não conseguem agir nessas situações.

Tudo depende de como os procedimentos são pensados ​​e consequentemente percebidos. As motivações definem objetivos e os objetivos definem a percepção, portanto, instrutores, fabricantes e riggers podem fornecer versões ligeiramente diferentes sobre o que funcionaria melhor. Qual é a melhor versão? A educação é a chave, mas apenas a educação correta!

No entanto, opiniões diferentes devem ser seriamente consideradas conforme as coisas mudam. Isso é muito importante, pois temos uma forte tendência de rejeitar ideias que vão contra o nosso modo de pensar, rotulando-as como indignas de consideração – absurdas, irrelevantes, estranhas ou equivocadas.

ERRO HUMANO

“Das 308 fatalidades relatadas entre 1993-2001, 264 (86%) foram categorizadas como Erro Humano, indicando que o erro humano foi considerado o principal fator dos acidentes fatais”, este estudo foi feito nos EUA. Portanto, 264 pessoas que executaram procedimentos de emergência durante esse período cometeram um erro fatal.

O mesmo estudo concluiu que: “Dentro dos programas de treinamento e educação de paraquedismo, atenção específica deve ser dada ao erro humano, e o treinamento deve ser deliberadamente voltado para a redução de acidentes por erro humano”. Isso foi concluído há 20 anos. O que você acha que foi feito em relação a isso? Não muito, e em relação à redução do erro humano as coisas ficaram ainda mais complicadas.

Para executar o procedimento de emergência correto, precisamos identificar a pane corretamente e executar a ação correta de todas as opções disponíveis. Aqui está um exemplo de uma maneira de ensinar essas situações:

Diagrama de emegência

Este é apenas um exemplo. Tem uma boa aparência e também é colorido, bem apresentado e não é tão difícil de entender. Existem muitos tipos de diagramas parecidos por aí. Eles representam a realidade?

Devem representar, se estiverem por perto na hora da emergência. E são eles o ideal para a educação no paraquedismo? Este tipo de diagrama é típico da educação industrial. A ideia com os diagramas é que você aprenda e quando precisar responder a uma situação de mau funcionamento – basta executar as ações!

É assim que os computadores funcionam. Rápido e preciso. Mas não é isso que acontece em nossas cabeças. Somos criaturas orgânicas. O paraquedismo é uma atividade de ritmo acelerado e não temos tempo para congelar, olhar o diagrama com as situações da possíveis, escolher o caminho certo e executá-lo. Segundo Adler (1991) e Schramm-Nielsen (2001), o processo de tomada de decisão é composto por etapas específicas que incluem o reconhecimento do problema, busca de informações, alternativas, avaliação das alternativas, escolha de uma alternativa, ato de agir, controle da situação e avaliação final.

O estresse também pode ter um impacto em cada etapa do processo de tomada de decisão (Moschis, 2007). Janis e Mann (1977) concluem que o estresse percebido no processo de tomada de decisão é uma das principais causas de más decisões e erros. E isso é compreensível, se não sabemos ou entendemos o que está acontecendo o cérebro nos coloca na posição fuga – tema que já abordamos neste outro artigo.

Consequentemente, as seguintes questões surgem da forma de diagrama para aprender os procedimentos de emergência – nossos sistemas nervosos não são rápidos o suficiente e os humanos não são “máquinas de resposta a estímulos” ao saltar de paraquedas, nem ao agir sob qualquer pressão ou estresse.

Essa teoria do comportamento humano da “máquina de resposta a estímulos” data de meados do século passado e diz que quando você se depara com um problema, você analisa, toma uma decisão e age. No entanto, este mecanismo é verdadeiro e SÓ funciona quando tudo o que acontece corre conforme planejado, não estamos sob pressão e temos tempo suficiente para pensar. Isso raramente acontece na vida real, muito menos ao lidar com emergências no paraquedismo.

Pane que exige emergência

Mais importante, diagramas e palavras não são como os ser humano pensam quando o assunto é paraquedismo ou qualquer outro assunto em geral. O que? Do que estou falando?

VISÃO É TUDO

Um novo estudo liderado por Elinor Amit, uma afiliada do Departamento de Psicologia, mostra que as pessoas criam imagens visuais para acompanhar seu pensamento interior, mesmo quando são solicitadas a usar o pensamento verbal, sugerindo que o pensamento visual está profundamente enraizado no cérebro humano, enquanto a fala está um desenvolvimento evolutivo relativamente recente.

“Isso sugere que não podemos realmente ir além do aqui e agora e pensar de maneiras abstratas sobre outras pessoas, lugares ou tempos”, disse Amit. “É assim que nossos cérebros estão ligados, e pode haver uma razão evolutiva para isso [porque] nem sempre fomos verbalizadores. Por muito tempo, entendemos nosso mundo visualmente, então talvez a linguagem seja um complemento”.

“Isso tem implicações importantes porque, se estivermos realmente fundamentados no aqui e agora, o que isso significa sobre como desenvolvemos políticas públicas?” ela adicionou. “Precisamos ajudar as pessoas a superar seu preconceito para focar no aqui e agora? Isso é algo de que precisamos estar cientes. ”

Isso é relevante para o paraquedismo, pois quando pensamos em paraquedismo, imaginamos fotos, frames e clipes curtos. A vida e o comportamento humanos são organizados em torno de nossa visão. Este é outro fato que nos diferencia dos animais, pois eles têm sua vida organizada em torno do olfato.

Isso é muito importante, pois nos dá a capacidade de construir imagens em nossas cabeças e executar simulações. Mas isso só é possível se o treinamento ultrapassar os diagramas e envolver vídeo ou fotografias. Ei, não é realmente possível ver o que está acontecendo exatamente depois que você lança seu pilotinho, então sentimos e construímos imagens em nossa cabeça da sequência de abertura em desenvolvimento. Se nosso cérebro detectar qualquer incompatibilidade com o que deveria acontecer, somos alertados para nos prepararmos. O RAS está ativado.

A visão é amplamente usada no paraquedismo. Então, por que paramos de usá-lo para treinamento de procedimentos de emergência? Conheço pessoas que não viram nenhum recurso visual para procedimentos de emergência desde que concluíram o curso AFF, há 10 anos. As situações de emergência usando imagens são muito usadas durante AFF, mas depois disso cai em desuso. Na era digital que vivemos até temos imagens e vídeos mostrando na prática as situações de emergência, mas muitas vezes ficam esquecidas no limbo da internet.

SISTEMA DE ATIVAÇÃO RETICULAR

Se as coisas não saem como planejado, o sistema emocional – o cérebro assume e age. Os sistemas que são ativados nas situações de estresse foram estudados em profundidade. Mais detalhes estarão em artigos futuros, mas um bom exemplo é o Sistema de Ativação Reticular, da sigla RAS em inglês, localizado principalmente no hipocampo. Ele mantém o controle de tudo que não está de acordo com o planejado para que possamos reagir. Este é o sistema que o acorda à noite se algo de errado estiver acontecendo – barulho alto, anomalia no ambiente, etc.

O mesmo sistema ajuda você a dirigir seu carro enquanto está pensando em outra coisa, seja o que for. Ele irá alertá-lo e ajudá-lo a tomar uma decisão quando o semáforo ficar vermelho e você precise parar como uma resposta. O que realmente acontece quando as coisas dão errado é – o hipocampo modula o processo, prepara a amígdala para o caso de as coisas realmente darem errado e prepara o hipotálamo, a parte do nosso cérebro responsável pela exploração de uma solução. O resultado é que você está pronto! A questão é o quão preocupado você deveria estar? E isso depende de como você está pronto para a emergência.

Sistema de Ativação Reticular

Os diagramas de procedimentos de emergência da “máquina de resposta a estímulos” apresentam alguns outros problemas inerentes. Uma é que nem todas as situações que acontecem são descritas, então elas não fornecem um curso de ação para elas. Isso deve ser resolvido com a ajuda de um pensamento autônomo e divergente. Para isso, precisamos das informações necessárias.

No paraquedismo, as informações necessárias envolvem o ensino sobre o equipamento e como funcionam os sistemas do paraquedas. Infelizmente, não há praticamente nenhuma educação formal incorporada para paraquedistas nesta área. A menos que sejam riggers, que precisam saber praticamente tudo sobre o paraquedas para lidar com algumas situações.

Isso pode levar ao desenvolvimento de emoções negativas em paraquedistas. A sobrecarga crônica causada por essas emoções negativas também pode prejudicar o hipocampo, o que é crucial para o aprendizado: é aqui que as memórias de curto prazo, como o que acabamos de ouvir ou ler, são convertidas em memórias de longo prazo, para que possamos lembrar eles mais tarde.

O hipocampo é extraordinariamente rico em receptores de cortisol, então nossa capacidade de aprender é muito vulnerável ao estresse. Se temos estresse constante em nossas vidas, essa inundação de cortisol realmente desconecta as redes neurais existentes, podemos ter perda de memória. Devemos aprender a fazer nossas próprias interpretações, em vez de agir de acordo com os propósitos, crenças, julgamentos e sentimentos dos outros.

Então o que deveríamos fazer? A prática e a ciência mostram que quanto mais preparados estivermos, mais rápida será a solução e melhor será o resultado. A forma como percebemos as situações no paraquedismo tem imensa influência no resultado e a percepção depende do nosso conhecimento e experiência.

PREVENÇÃO É A CHAVE

A capacidade de gerar e, em seguida, selecionar a ação apropriada é baseada na “leitura” da situação pelo tomador de decisão – em outras palavras, sua capacidade de avaliar a situação e prever como ela evoluirá nos próximos segundos. Se o conhecimento sobre equipamento e a compreensão do processo estiverem em jogo, lidar com situações de emergência será significativamente simplificado.

“Em geral, para emergências de queda livre, eles se resumem a … Se o seu velame principal estiver fora ou houver uma razão para acreditar que ele pode sair, desconectar o principal e comandar o reserva. Se o velame principal não estiver saindo do container, comande seu reserva! Tudo isso deve ser feito alto o suficiente. ”

Conhecer o seu equipamento e como funciona também se enquadra nas razões biológicas de perceber as situações de emergência como desafio e não como ameaça e entrar no ciclo de competência/confiança que significa sem stress. Em outras palavras, percebemos a situação de emergência como um desafio, não como uma ameaça.

Partes do equipamento

Tudo o que foi dito acima é apenas superficial sobre o assunto. Não explica tudo, e nada em nosso cérebro faz uma coisa apenas. Além disso, há outros fatores na tomada de decisões sob estresse. No entanto, os humanos têm as habilidades de resposta necessárias para agir em situações de alto estresse.

Estamos em constante evolução por mais de 300 milhões de anos. Essas habilidades são muito eficazes e as usamos diariamente em nossas vidas, nos esportes e até no paraquedismo. Tudo isso deve ser profundamente utilizado no treinamento de paraquedismo, não ignorado!

Talvez seja o momento de implementar o conhecimento disponível para atualização da educação de paraquedismo. A segurança dos paraquedistas depende disso e lembre sempre de rever os procedimentos de emergência!


REFERÊNCIAS:

Gostou do artigo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe o seu comentário!

Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

SOBRE O AUTOR

Diego Rodrigues

Fundador e administrador da SkyPoint Paraquedismo

REDES SOCIAIS

CATEGORIAS

ARTIGOS RECENTES

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.